Turismo: ESG avança no segmento de A&B

A importância de uma gestão sustentável em todos os elos da cadeia produtiva do turismo é cada vez mais evidente.

Isso é percebido sobretudo quando a ação implementada atende ao ESG. A sigla se refere ao termo em inglês que corresponde aos pilares essenciais da sustentabilidade:

  • Environmental (Ambiental, E);
  • Social (Social, S);
  • Governance (Governança, G).

Resorts, hotéis e restaurantes, nesse sentido, têm enxergado a necessidade de promoverem ações ambientalmente responsáveis, socialmente justas e economicamente viáveis.

Tais estabelecimentos do turismo priorizam investimentos em gestão sustentável de resíduos orgânicos.

Em destaque estão as empresas que prestam serviços de A&B. Muitos deles utilizam softwares acoplados aos biodigestores.

Capazes de identificar a origem dos alimentos descartados, tais programas, na prática, ajudam a evitar desperdícios. Ou seja, além dos ganhos ambientais, isso agrega valor à imagem da organização.

Tecnologia a favor do turismo sustentável

Anualmente, o Brasil gera mais de 80 milhões de toneladas de resíduos. Quase 40% desse montante vai parar em lixões ilegais. Além disso, mais da metade de todo esse lixo é composta por comida e outros materiais.

Ao mesmo tempo, não há qualquer indício de que o consumo e descarte de alimentos vá diminuir daqui para a frente. Pelo contrário.

Estima-se que até 2030, o mundo tenha cerca de 1,3 bilhão de pessoas. Conforme a população cresce, a necessidade de alimentá-la aumenta.

Uma maneira de amenizar os efeitos do alto consumo de alimentos e descarte de resíduos orgânicos é valorizar as práticas de ESG.

Tais estratégias aliadas às tendências da cozinha 4.0 contribuem para que negócios de turismo otimizem fluxos internos.

Hotéis-modelo já colhem bons frutos

Os hotéis La Torre, na Bahia, e Renaissance, em São Paulo, são ótimos exemplos de que a conectividade e a tecnologia favorecem a gestão de operações.

Com a inovação implementada, os hotéis cumprem as normas sanitárias e asseguram um ambiente limpo e saudável.

Além disso, promovem a conscientização e o engajamento de equipes e lideranças. Todos se unem para buscar um mundo mais vivo, com menos desperdício.

Os aterros vão sumir do mapa?

Para Eduardo Prates, fundador da empresa Eco Circuito, o uso de aterros para descarte de orgânicos está com seus dias contados.

“Algumas cidades no Brasil, como Goiânia e Florianópolis, por exemplo, já proibiram essa prática”, adianta o executivo.

A Eco Circuito, liderada por Prates, é especializada em tecnologia e inovação para processamento in-loco de resíduos alimentares. Atualmente, a corporação marca forte presença no turismo.

“A agenda ESG cresce de forma consistente e em ritmo acelerado na hotelaria. O mesmo acontece em hospitais, centros comerciais, refeitórios industriais, entre outros ambientes”, pontua o CEO da empresa.

Um grande benefício é que a automação libera a mão de obra para outras atividades. Do mesmo modo, reduz o consumo e reposição de lixeiras, sacos de lixo ou materiais de limpeza.

Junto a isso, outra excelente notícia é que o impacto na operação é praticamente imediato. Afinal, profissionais e usuários aprendem, de fato, como destinar seus resíduos de forma adequada.

 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email